quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Pôr o dedo na ferida!

O blogueiro anónimo
“Esta gente rasteira que escreve sem se identificar só tem arte para discutir pessoas e não ideias e princípios”
Neste mundo global, ninguém questiona as virtualidades e as vantagens dos blogues, enquanto ferramenta multifuncional que promove uma nova forma de comunicação, uma forma de expressão completamente livre. De facto, quando o blogue é usado correctamente constitui um importante instrumento de debate público, de debate pertinente e sério, prestando um bom serviço ao exercício da Democracia.
Mas o blogue que permite que a grande maioria dos bloguistas se refugie no anonimato não é sério, nem presta um relevante serviço à sociedade. Bem sei que o anonimato foi uma conquista para fugir à opinião massiva, para poder discordar sem ser identificado, evitando ser colocado à margem do grupo. Mas também sei que esta característica específica dos blogues, assente no anonimato, tem servido para proteger gente cobarde e mesquinha, que se refugia nesta forma de comunicar para vinganças pessoais, para ofender a honra e o bom-nome das pessoas que dão a cara e que não têm medo de pôr a assinatura em tudo o que fazem. Esta gente rasteira que se esconde por detrás do biombo do anonimato só tem arte e engenho pa-ra discutir pessoas e não ideias e princípios. A espiral de silêncio de que nos fala a socióloga Noelle Neumann é a fronteira que distingue a qualidade e a honestidade intelectual entre os blogues.
O blogueiro anónimo é, infelizmente, também juiz. Também este, que é o rosto visível da Justiça, de uma Justiça que se quer de cara destapada e transparente, se refugia nesta forma desprezível de comunicar, torpedeando o que lê, caluniando, sem qualquer respeito e tolerância. Talvez o Conselho Superior da Magistratura devesse estar atento a alguns blogues que acompanham as questões da Justiça e que em nada dignificam o Poder Judicial.
As ofensas anónimas estão nos antípodas da crítica construtiva, proporcional e adequada. É bom que o juiz anónimo saiba que o blogue não foge às regras do ordenamento jurídico português nem aos limites do exercício de liberdade, de manifestação e de pensamento. E é bom também que saiba que o titular do blogue é responsável, civil e criminalmente, pelos comentários injuriosos. Para cada direito criado há limites.
Quem se esconde na caverna do silêncio e da penumbra, para ter o momento de glória quando escreve sem se identificar, demonstra fraca personalidade e não tem o mínimo de respeito e de amor pelos direitos de personalidade.

6 comentários:

abidos disse...

Não sou Juiz Desembargador, mas discordo em grande parte daquilo que o Dr. Rui Rangel escreve...

Em primeiro lugar não se pode generalizar, é verdade que existem os anónimos mal criados, que infelizmente nos blogs Óbidenses 'escrevem demasiado', mas felizmente a maioria dos participantes tenta discutir as ideias, e os principios.
Quando o bloguer se identifica, normalmente a discussão das ideias é substituida, pelas acusações pessoais. Por exemplo em Óbidos, um dos poucos se identifica é o Maximino, e quantas vezes a troca de opiniões em que ele participa, não acaba em discussões pessoais!!!
Exactamente o contrário daquilo que o Dr. Juiz afirma...

O anonimato pode pontenciar a injuria, mas não é a principal razão para ela existir, além disso a quantidade de anónimos pode ser um excelente indicador para analisar o nível de liberdade em que a nossa comunidade se encontra, demonstrando a capacidade de 'encaixe'(ou falta dela!!!) à crítica, que as nossas figuras públicas têm...

PS: Acho extraordinário o descaramento que alguns bloguers ANÓNIMOS têm, em criticar o ANONIMATO, dos criticos!!!
Se por acaso o post anterior estiver incorrecto, então educamente corrigam, nos blogs o direito de resposta é imediato...

Anónimo disse...

Não compreendo todo este barulho por nada num país em a comunicação vive, essencialmente, do anonimato. Fontes policiais, anónimas; fontes do governo, anónimas; fontes dos partidos, anónimas; fontes judiciais, anónimas e mais umas não sei quanto fontes anónimas. Esse é que é o anonimato que perturba e que o Sr. Desembargador deveria criticar.
O bom da blogosfera é poder ser anónimo ou não e quem não sabe viver com isto, tem uma boa coisa a fazer: deixar de escrever em blogs e passar a escrever cartas para os amigos...

Anónimo disse...

Já todos conhecem o que penso acerca os anónimos que não assumem o que escrevem, por isso nem é necessário acrescentar mais nada...!!!

Maximino

Anónimo disse...

…Pelos vistos começam a levar a sério os blogues. Porque certamente incomoda. E não controlam. É a liberdade.

Anónimo disse...

Em Óbidos é quase a única forma de debate e opinião, (já que o site oficial CMO – não permite comentários). Os blogues têm definitivamente o seu papel, nuns casos maior, em outros menor…

Anónimo disse...

COMENTÁRIOS NO SITE DA C.M.O.

NÃO E NECESSÁRIO LIGUE O NUMERO DE CONTACTO DO SR. PRESIDENTE QUE DURANTE A CAMPANHA COLOCOU A DISPOSIÇÃO DOS ELEITORES (CLARO ESTÁ DESLIGADO)
DESENGANE-SE QUE PENSOU QUE OS JOVENS POLÍTICOS ERAM DIFERENTES .