terça-feira, 30 de março de 2010

Falta uma política de desenvolvimento das indústrias culturais

Telmo Faria falava à Lusa a propósito do II Fórum Europeu das Indústrias Criativas, a decorrer até dia 30 em Barcelona e no qual o autarca apresenta esta tarde o modelo de desenvolvimento do concelho assente no desenvolvimento de indústrias culturais. Faria participa numa mesa redonda sobre "A Cultura nos programas europeus de desenvolvimento local e regional". Para o autarca falta em Portugal uma “política pública orientada que motivasse a sociedade civil e o meio económico" a investirem nas indústrias culturais como forma de desenvolvimento regional e nacional. Porque "a cultura não é apenas uma dimensão de uma necessidade que o indivíduo tem, é muito mais do que isso, é também uma forma de criar riqueza económica", sustentou. Telmo Faria lembrou que nos últimos sete a oito anos o concelho de Óbidos tem investido nas indústrias criativas, tendo para esse efeito criado um parque tecnológico que muito tem contribuído para o desenvolvimento concelhio. Sem precisar que percentagem de desenvolvimento económico se deve a esta aposta, porque só este ano se vai começar a estudar esse fenómeno, o autarca disse que nos últimos sete anos mais 300 empresas escolheram aquele concelho para se instalarem, as receitas municipais triplicaram e o número de jovens a frequentar as escolas do concelho duplicou nos últimos cinco anos. Estes resultados ficaram a dever-se à capacidade desenvolvida por Óbidos nos últimos anos para atrair grandes eventos culturais que permitiram também atrair investimento privado, que actualmente se cifra na "ordem dos mil milhões de euros", referiu. A aposta de Óbidos nas indústrias criativas tem, contudo, que continuar nos próximos anos, disse o autarca, sublinhando que neste momento já pode afirmar que aquele tipo de indústrias funciona como "um ´driver`, um motor, uma alavanca do processo de desenvolvimento colectivo" daquele território.

7 comentários:

Francisco B T disse...

As industrias criativas são uma forma de atrair milhões de empréstimos à banca.

Anónimo disse...

Não será isto um discurso criativo senão vejamos:
300 empresas fixaram-se em Óbidos, com 30 trabalhadores em média o sonho da criação dos 10.000 posto de trabalho está concretizado.
As receitas municipais triplicaram, ou seja industrias criativas a pagar eram 0, como triplicaram ajudaram e muito a saúde financeira do município como todos sabemos.
Sem precisar que percentagem de desenvolvimento económico se deve a esta aposta, porque só este ano se vai começar a estudar esse fenómeno – no entanto lá remata graças à capacidade desenvolvida por Óbidos nos últimos anos para atrair grandes eventos culturais que permitiram também atrair investimento privado, que actualmente se cifra na "ordem dos mil milhões de euros". Se fosse autarca num concelho do interior (sem mar e sem dunas para construir) pela certa que não era tão criativo provavelmente seria mais realista.

josepha disse...

O Telmo Faria fez ontem uma triste figura no Forum das Indústrias Criativas de Barcelona.
Num Forum cientifico, onde se trabalham as políticas culturais de uma forma reflexiva e critica, o Autarca Obidense fez uma comunicação de puro marketing chocolateiro, como se estivesse num certame de turismo e não num sítio onde deveria aprender.
Para aprender, deveria ter uma postura critica e não a de menino político que apresenta o seu trabalhinho em prol de si mesmo.
As grandes tecnologias que tanto apregoa falharam no momento certo, o power point encravou na primeira imagem poupando os restantes participantes do workshop, ao folclore a que estamos habituados.
Foi uma infeliz participação que suscitou mau estar entre os participantes que discutem assuntos sérios e não entretenimentos vazios

Anónimo disse...

Se correu nos moldes do comentário anterior seria melhor ter ficado por cá. Sempre contribuía para uma melhor imagem de Óbidos, como o autarca que anda sempre em cima das roturas… O das Caldas é conhecido pelo ROTUNDAS o nosso não tarda começa a ser conhecido pelo ROTURAS!!!

Anónimo disse...

O Telmo disse que nos últimos sete anos mais de 300 empresas escolheram Óbidos para se instalarem!
Onde está essa lista das 300 empresas novas?????????
Se cada empresa dessas criar 30 postos de trabalhos, temos 9000 novos postos de trabalho.
A verdade é este ano haver mais desempregados em Óbidos que no tempo do Pereira Júnior.

Anónimo disse...

A Comissária Europeia para a Educação, Cultura, Multilinguismo e Juventude, Androulla Vassiliou (Chipre), destacou ontem, em Barcelona, o excelente exemplo de Óbidos para a Europa na condução de políticas e iniciativas de fomento da Cultura e da Criatividade, provando que é possível desenvolver-se por esse caminho. A referência foi feita na sessão de encerramento do Fórum Europeu das Indústrias Culturais que termina hoje, no âmbito da Presidência Espanhola da União Europeia.

Anónimo disse...

Do Chipre heheheheh