sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Vale a pena ler o Editorial

(…)A distribuição incoerente e à medida dos desejos eleitorais ou de momento de cada autarquia, de um conjunto de investimentos na ordem dos 2 mil milhões de euros, que sem estar interligados de pouco servem, uma vez que os investidores privados não decidem em função dos pequenos luxos ou modas de cada concelho, à margem da existência de uma estratégia de desenvolvimento de todo o território abrangido e da formação dos recursos (principalmente humanos) necessários para rentabilizar os seus investimentos.
Como é possível definir aquele conjunto de intenções sem ter um fio condutor agregador de um conjunto de gastos envolvendo alguns milhares de milhões de euros? Se há este fio condutor não foi divulgado ou valorizado suficientemente, uma vez que pareceu tudo mais uma feira de vaidades, em que alguns até pré-anunciaram êxitos em desfavor dos seus colegas, situação que é muito pouco cooperativa e se funda mais num procedimento típico de gentes pouco inteligentes.
(…)Vê-se pois hoje para que serviu a estratégia do sigilo e de reserva apenas para certas personalidades, na discussão das obras e outras iniciativas a financiar, uma vez que assim aparece um conjunto de pedidos concelhios mal articulados e cuja sustentabilidade em muitos casos deixa a desejar, se alguma vez mesmo foram por diante.
Para mais, muitas destes investimentos ultrapassam a duração do próximo mandato autárquico a partir do qual se fará a razia mais completa dos líderes locais que não se poderão recandidatar em 2013.
Esperemos que a nossa visão pessimista deste episódio oestino não se confirme, pois a ocorrer, constituirá mais um desaire que se tornará irreversível para as próximas décadas.

2 comentários:

abidos disse...

Então o aeroporto na Ota não ia custar 3 mil milhões?
Se juntarmos os custos do aeroporto em Alcochete, aos 2 mil milhões deste programa, mais as novas travessias do Tejo, qual será a soma total?!!!

É evidente que estes anuncios são areia para os olhos, em 2017 já ninguém se lembrará deste programa, tantos os autarcas, como os governantes, já estarão a gozar as 'merecidas' reformas douradas!!!

Anónimo disse...

Essa é que é essa... até parece que para resolver os problemas deste pais passa por politicas que apenas financiam sempre os mesmos. Mais betão... mas, o mais importantes são mas reformas "chorudas" para os grandes autarcas do Oeste...