segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Palavras para quê?!

Depois do fracasso do lançamento de um nevão no Marquês de Pombal, em 2005, o Banco Espírito Santo (BES) decidiu mudar de estratégia e patrocinar a "Vila Natal", em Óbidos, tendo investido 120 mil euros. Com uma previsão inicial de 80 mil visitantes (até 6 de Janeiro), estes números deverão ser ultrapassados. "Até ao dia 17 de Dezembro, visitaram a vila entre 70 e 74 mil pessoas". Face aos bons resultados, "pretendemos manter esta iniciativa nos próximos anos", frisou fonte oficial do BES. O banco decidiu associar-se a este projecto por ser um "evento de impacto nacional, sendo a primeira Vila Natal portuguesa. Também pela importância de (re)criar espaços multigeracionais - crianças, pais e avós -, recuperar tradições e preservar hábitos de partilha de valores em família. Outra das razões prende-se com o ambiente, por ser inspirado no mais puro imaginário infantil, por oposição à opulência, consumismo e materialismo". Fonte
Por sua vez, também o Sr. Presidente da Assembleia Municipal de Óbidos escreveu no mesmo jornal DN e consta dos "recortes de imprensa" do site da CMO.
Passeio Público
Óbidos - Vila Natal
"Nas ruas da vila histórica sente-se alegria, boa disposição, ouve-se risos, gritos e vozes felizes, enquanto na periferia do seu castelo olha-se e desfruta-se da magia efectiva do Natal".
O Natal dá-nos, quase sem percebermos, outros olhos e outra disposição para vermos e enfrentarmos a realidade.
Aquilo a que já se convencionou chamar de espírito de Natal amolece a maneira de ver e de viver as coisas mais simples da vida - como são a alegria, a calmaria, a vontade de ter tempo de qualidade para quem gostamos mais - que é algo que infelizmente não conseguimos durante grande parte do ano.
É também por isto que nesta quadra, as nossas raízes mais profundas e muitos dos valores que não há que esconder! - religiosos que marcaram as nossas infância e adolescência nos tocam mais fundo.
E espicaçam a nossa memória mais profunda e nos fazem quase sempre chegar ao nosso banco de memórias positivo. E como pai, de três meninos, ao ter tudo isto presente, saboreei-o e percebo cada vez melhor, o quanto efectivamente faz sentido dizer-se que o Natal é das Crianças.
E foi muito nesta base que a Vila de Óbidos, de há dois anos para cá, se tem transfigurado para nesta época do ano se assumir no país como vila de Natal. Para quem não esconde que lá tem responsabilidades autárquicas - como é o meu caso - e gosta de Óbidos e gosta do Natal, não é difícil enaltecer e sugerir que familiares (com as suas crianças) visitem Óbidos nesta altura.
Nas ruas da vila histórica sente-se alegria, boa disposição, ouve-se risos, gritos e vozes felizes, enquanto na periferia do seu castelo olha-se e desfruta-se da magia efectiva do Natal, dos duendes, da pista de gelo, das rampas da neve e de muitas outras coisas.
Óbidos, vila Natal é um exemplo - mais um que o seu líder Telmo Faria e as suas equipas nos dão - de como se pode proporcionar felicidade - mesmo que momentânea - às pessoas de várias idades e condições sociais.
É sem sombra de dúvida um evento que veio para ficar, encantando sobretudo as crianças. O país, Leiria e o Oeste agradecem. Porque faz todo o sentido, sobretudo nesta época do ano.
É desejável que outros sigam - positivamente este exemplo. Fonte

5 comentários:

abidos disse...

Aqui está um excelente exemplo, de alguem falar sobre uma coisa que não percebe 'patavina' !!!
Concerteza que o presidente da Assembleia Municipal nunca colocou os pés, em Óbidos, nas alturas de maior afluência, e quando o BES fala em recriar tradições !!! aonde? com quê? o gelo? o Pai Natal da Coca-Cola?

parvus disse...

"Aquilo a que já se convencionou chamar de espírito de Natal amolece a maneira de viver ver as coisas mais simples da vida..."
Quem comvencionou? O BES? O Presidente BD?
Não se pode amolecer muito, para esse lado o gelo ainda derrete e os iglos tradicionais ficam a metar ainda mais água-só é bom para os pinguis do Arnoia

Anónimo disse...

...

Anónimo disse...

Sem duvida que se recria o Natal em espaço aberto e natural..
Certamente que qualquer criança ficou maravilhada ao visitar este espaço..
Perguntem-lhes...
Nem que seja pela guloseima que era oferecida a quem teve de ser assistido pelos bombeiros, depois de uma queda...
O meu filho dizia: "assim até nem me importo com o dói-dói"
Parabens á organização, não discurou a segurança. Continuem e ignorem os comentários dos "destruidores"

parvus disse...

Imagine então que nomeio da Rua Direita, acontece um acidente e é preciso chegar uma abulância rápidamente? A segurança é fantástica!!!!!