quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Festa de Santo Antão

Os mais ousados após escalarem e vencerem o desnível de 80 metros, percorrendo 150 degraus, chegarão à ermita de Santo Antão – romaria mista de profano e sagrado.
Ao longo dos tempos, sempre se pagaram as promessas para a recuperação de animais doentes ou pedidos de ninhadas fartas e saudáveis, em troca de uma vela enrolada numa fita de nastro previamente benzida, que no ano seguinte é oferecida ao Santo.
Se a evolução da medicina veterinária tem contribuído para que a dimensão religiosa da festa não tenha a importância de outrora, a componente pagã mantem-se bem viva.
Parece que durante a noite passada, um grupo de temerários munidos do célebre chouriço e acompanhados de um bom garrafão (e não só) iniciaram as celebrações e mantiveram a noite animada à volta das fogueiras!!!
Esta tradição quase que nasce no espírito de muita gente da região, e não só. As pessoas animam as noites geladas com acordeões trazidos de casa, iniciando deste modos os festejos que se prolongam até ao caír da noite seguinte.
Também são os mais jovens que mantêm a tradição… o Santo Antão está para durar.

5 comentários:

abidos disse...

A verdadeira festa de Óbidos...

Anónimo disse...

Mas não o vi por lá...!!!

Maximino

abidos disse...

Trabalho...

Mas estive presente na recepção, dos encharcados(por dentro e por fora), e posso garantir que uma sopinha faz milagres...!!!

Anónimo disse...

ó abidos o senhor cometeu a heresia de não ir ver os pavões no seu desfile anual?

abidos disse...

Por isso é que o Santo Antão, é a verdadeira, e a mais democrática festa de Óbidos, é para todos, sem excepção, para os pavões, e para os 'não pavões'...