quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

"Por qué no te callas"

Governo e municípios do Oeste acertaram hoje que os concelhos com terrenos na área prevista para o aeroporto da Ota, Azambuja e Alenquer, terão tratamento em separado e que os investimentos do Estado na região serão multidisciplinares.
Ler a noticia em: Diário digital
Por falar em contrapartidas, no Prós e Contras, vista em directo por milhões de espectadores, um autarca da AMO merecia ouvir de um colega aquela já célebre frase “? por qué no te callas?”. (vale a pena lerA bronca do Bronco").
No entanto, parece que foi um caso isolado que em nada abalou a capacidade de negociação da AMO.

8 comentários:

Anónimo disse...

A encomenda faz-se aos engenheiros para que os engenheiros forneçam o alibi de um "parecer" com a assinatura "técnica" confirmativa do que o autarca já antes decidira.
A politica autárquica no seu melhor... pela certa não será o unico.

Anónimo disse...

É importante a redução dos mandatos. O mal do poder autárquico é que com o decorrer dos anos... é o abuso do poder, tráfico de influências e instala-se uma "ditadura" democrática. Este está no poder... para lá de 20 anos.

Anónimo disse...

O facto é que este representantes " do povo" que são oferecidos periodicamente ao sufrágio popular resultam duma escolha prévia dum cacique reinante - o capataz partidário do momento.
A este circuito fechado da mais vergonhosa trafulhice tribal e oligárquica chamam eles "vontade popular”.

Anónimo disse...

De facto é fantástico algumas pessoas sentirem-se enganadas e não se preocuparem com quem as engana, como são enganados e com as consequências desse engano, que não é para eles, mas para a sociedade...

Anónimo disse...

Para o desenvolvimento do Oeste é fundamental a construção do IC11, a electrificação da linha do Oeste, com ligação ao TGV, e se ainda for possível uma Auto-Estrada ao longo da costa.

parvus disse...

uma auto estrada ao longo da costa???? já agora um tapete rolante até Lisboa, não?

Anónimo disse...

Mas infelizmente é assim que na maior parte das vezes "as coisas acontecem"...

Alguém necessita de um estudo de impacto ambiental(EIA) para poder efectuar determinada obra...

Encomenda o estudo, diz o que quer "e normalmente arranja" algum técnico especializado que montando palavreado num lado, esquecendo ou escamoteando problemas a montante ou jusante...faz a obra "à medida das necessidades"...e "recebe o seu"...!!!

Se o técnico não "tem estomago" para digerir essas aldrabices...procura outro modo de vida, pois não "se safa" com a sua seriedade, competencia e espinha vertical...

Com mais ou menos camuflagem..."todos sabem" que é assim que funcionam os EIA e outras necessidades...há infelizmente muita corrupção e pior ainda...muita gente vai pensando "que tem mesmo que ser assim..."!!!

Maximino

Anónimo disse...

Aqueles que não puderam dispôr dos seus terrenos durante anos possam vir a ser indemnizados. Mas apenas os que já eram proprietários antes de 1999, e não os especuladores, que apostaram e perderam.